quinta-feira, 23 de junho de 2011

Leia sua receita de óculos!

   O oftalmologista nos passa receitas de óculos totalmente incompreensíveis, não acham? Mas os códigos não são tão difíceis assim, se você souber como começar.
   Primeiramente, o paciente e a data são identificados. Isso é fundamental para comparações com exames futuros. Lembre-se de guardar todas as suas receitas de óculos e levá-las quando for nas consultas.
   As siglas OD e OE significam olho direito e olho esquerdo, respectivamente. Já ".esf" é o mesmo que esférico e ".cil" ou ".cyl" é o mesmo que cilindro. 
   Os números: quando for para longe, se o número que estiver logo antes ou logo depois de ".esf" e com sinal negativo(-), significa que o seu grau é relativo a Miopia. Se o sinal for positivo(+), o que você tem é Hipermetropia. Se o número vier junto da abreviação ".cyl"/".cil", o grau é relativo a Astigmatismo. Se você não tiver Astigmatismo, o campo ficará em branco ou com um zero, sendo que, no Brasil, o Astigmatismo costuma ter seu grau marcado como negativo(-).

   O Astigmatismo não abrange o seu olho inteiro, só um determinado ângulo. Esse ângulo é anotado em "Eixo a ângulo", geralmente à direita do lugar onde está anotado o seu grau de Astigmatismo. Este ângulo varia de 0º a 180° e também é anotado  na imagem das lentes que existe no fim da sua receita.



   Para perto, a deficiência mais comum que existe é a Presbiopia, ou vista cansada, que costuma aparecer com um sinal positivo(+). Esse grau, às vezes, vem depois da palavra "adição", ou ".ad", pois é essa a conta matemática que se faz para saber o seu grau final.

   Quando uma pessoa te pergunta quantos graus você tem, você não responde "5 de miopia, 2,5 de astigmatismo e 1,5 de presbiopia no direito e 4,5 de miopia, 3 de astigmatismo e 2,5 de presbiopia no esquerdo". Aliás, ninguém merece ter que dar uma resposta assim! Eu, pelo menos, iria precisar 'colar' de alguma anotação. Para dar uma resposta mais simples, o seu "grau final", basta você somar o seu grau de miopia, o de astigmatismo, o de hipermetropia e o de presbiopia. Mas não se esqueça dos sinais, eles fazem toda a diferença.
   Um exemplo com números aleatórios: A pessoa X tem, no olho esquerdo, +200 (hipermetropia) e -100(astigmatismo) para longe e + 500 para perto. O "grau final" de X será igual a  +200 + (-100) + (+500)= 200 - 100 + 500 = 600. No fim da conta, divida por cem (coloque uma vírgula duas casas para a esquerda) e terá o seu "grau final", que é 6,00 para X, no olho esquerdo.
   Alguns médicos já fazem essa soma na receita e outros só escrevem os valores de cada deficiência.

   Outro dado, que pode ou não vir na receita de óculos, é um que fica junto com a palavra "prisma". Nessa parte, o médico colocará um número se o paciente tiver Estrabismo ('vesguice'). Se o paciente não quiser corrigir seu Estrabismo, essa parte ficará em branco.

   Um número muito importante na hora de fazer seus óculos é a distância entre as pupilas, que também pode ser chamada de distância pupilar. Essa distância pode ser anotada no próprio desenho em que aparece a angulação do estigmatismo, onde costuma haver uma linha pontilhada ligando uma pupila à outra, ou depois da sigla DNP, que é a mesma coisa que DP. Alguns oftalmologistas fazem essa medida na consulta e outros preferem que isso seja feito na própria ótica.
   Muitas vezes, os médicos também anotam que tipo de lente recomendam, seja pelo material (resina, policarbonato, etc...) ou pelo fabricante.

   Tomem cuidado com o seguinte: receita de óculos não é para lentes de contato. Algumas informações para fazer as lentes de contato e o grau certo dessas lentes só são obtidas num teste específico.
   E, para aqueles que preferem as lentes, em breve coloco algo sobre elas.
Adaptado de: http://www.medicodeolhos.com/2010/07/entenda-receita-dos-seus-oculos.html

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário